Plano de gestão ativa da frota é estratégia para agregar valor ao nosso negócio

 

O plano de gestão ativa da frota, implementado no último ano, ofereceu a possibilidade de agregar valor ao nosso negócio e buscar cada vez mais a posição de melhor empresa de transporte e logística nos setores de óleo, gás e biocombustíveis do país. Essa abordagem, que está alinhada às melhores práticas da indústria de shipping, tem sido fundamental diante dos avanços tecnológicos mundiais e das demandas crescentes para redução de emissão de gases. Ela prevê avaliação constante da condição dos navios, considerando incorporação de novas embarcações, de acordo com as necessidades do mercado, e alienações de navios, sobretudo daqueles mais antigos, que já não atendem plenamente à demanda atual. Ambos os processos são previstos nas leis brasileiras.

Alienação de navios

No caso de alienações, é exigido que o comprador declare se irá usar o navio, vendê-lo para outro armador ou enviá-lo para reciclagem. O processo é transparente, executado por meio de leilão eletrônico do portal Petronect. É aberto à livre concorrência e tem ampla divulgação em jornais de grande circulação no Brasil e no exterior. As empresas brasileiras ou estrangeiras que quiserem participar precisam somente se cadastrar previamente.

Os navios são alienados com os certificados de responsabilidade da Transpetro, válidos até a data de entrega, na qual o comprador assume o navio, após providenciar novos certificados, de sua responsabilidade.

Caso o comprador declare que enviará o navio para a reciclagem, ele deverá atender aos requisitos da Convenção de Hong Kong, criada pela International Maritime Organization (IMO). Esta convenção regula o processo de reciclagem de navios e tem como requisitos básicos um inventário de materiais perigosos (IHM) e um plano de reciclagem (SRP), além de certificar os estaleiros que atuam neste nicho de mercado. Caso o comprador indique que irá usar o navio ou se o venderá a outro armador, é necessário declarar que a reciclagem será executada de acordo com os requisitos da Convenção de Hong Kong, caso ocorra em tempo de utilização menor do que dois anos.

Nos últimos 30 dias, a Transpetro concluiu a alienação de quatro navios (Grajaú, Dilya, Livramento e Maísa). Não há obrigação contratual de oferecer garantia ou suporte pós-venda ao comprador, porém, estamos prontos a colaborar com suporte técnico, caso sejamos demandados.

As incorporações de novas embarcações também estão previstas no nosso Plano Estratégico. Para isso, são avaliadas todas as modalidades possíveis existentes no mercado.